Parto Aline, Thomás e Serena

Atualizado: 18 de Jul de 2019



Quando pensei em parto pela primeira vez, já grávida, automaticamente

imaginei-me parindo como minha mãe e tias: em uma cesárea pelo SUS. No

entanto, como toda grávida de primeira viagem e insegura, fui em buscas de todo

o tipo de informação e relatos de pessoas próximas. Assustei-me com tantos

depoimentos de violência obstétrica e experiências desagradáveis. E foi tentando

fugir dessa realidade, que me deparei com a possibilidade do parto domiciliar

planejado. Confesso que, à primeira vista, a ideia soou como um gesto de

rebeldia. E talvez seja, pois, na maioria das vezes, esse meu desejo foi

desencorajado e infantilizado. As dúvidas eram tremendas. “E se tiver

complicações?”, “será que minha obstetra topará?”, “será que é seguro?”, “será

que isso é para mim?”, “será, será, será...?”. E então, foi num encontro aberto da

equipe Hanami que pude tirar dúvidas, informar-me e, principalmente, me sentir

segura e acolhida. A confiança em mim não veio de uma hora para outra. Fizemos

o curso de gestante, estudamos bastante e trocamos experiências com as

meninas do Hanami e com os casais que estavam na mesma situação. As semanas

passaram voando!


Na minha mente, era certo que a Serena viria com 38 semanas, no

máximo, 39 semanas. Com as minhas amigas foi assim, comigo também haveria

de ser. Passaram-se dias, luas. A ansiedade só crescia. Após a 40 a semana, cada

dia que passava era a sensação de uma semana. Meu corpo estava inteiro pesado.

Saía pouco de casa, pois não conseguia ir muito longe sem precisar de um

banheiro. Não me agradava dirigir, tentar ler ou meditar, pois ficar sentada era

extremamente incômodo. À noite, conversava com a Serena e pedia para ela vir.

As enfermeiras do Hanami, Ju e Mari, me acalmavam a cada consulta, mas não

passava muito tempo, e a ansiedade voltava!


Com 41 semanas, eu, meu parceiro Thomás e as meninas do Hanami,

conversamos e decidimos iniciar o “despertar da Serena”. Tentamos induzir o

parto naturalmente com chá termogênico, ponto de acupuntura e dança. Porém,

nada da Serena chegar. E nem indicar sua chegada. Quando deram 42 semanas e

2 dias, o “despertar” virou “ultimato”. Tomei óleo de rícino, como orientado pelas

meninas. E não é que deu certo? Como elas mesmo diziam, “é batata”. Tomei pela

manhã e saímos para o supermercado. De repente, empurrar o carrinho tinha se

tornado difícil. A sensação era de que minha bexiga estava cheia e meu útero

ainda mais pesado. Precisava descansar. E assim, agilizamos as compras e

voltamos para casa.


No quarto, fiquei um tempo deitada na cama e ouvindo áudios de

hypnobirthing, o que foi muito interessante. Além da música que me

tranquilizava, eu deixava me convencer pelo áudio que dizia “o dia do parto é

extremamente estimado, não tenha medo, pelo contrário, desfrute-o. A cada

contração, sorria”. Lembro que veio uma contração tão forte que senti vontade

de correr para o banheiro. No meio de caminho, a bolsa estourou. E assim que

cheguei ao banheiro, vomitei. Pensei “assim não vai rolar!”. Decidi ir para o

chuveiro, para ver se aliviava o desconforto. Porém, as mulheres tranquilas no

chuveiro que eu assistia em vídeos de parto, não pareciam nada comigo. A cada

contração que vinha, eu sentia a necessidade de agarrar em algo. E mesmo

agarrando a janela do banheiro, aquele aperto - misturado com uma cólica

profunda- não minimizava. Fiquei braba. E a cada contração, o desespero só

aumentava. Foram-se alguns instantes até eu aceitar chamar as meninas (Ju,

Mari e Clara, fotógrafa). Meu parceiro Thomás entrou em contato e também

deixou a piscina pronta. Que grande alívio ficar imersa na água! Meu trabalho de

parto foi do inferno ao céu.


Dentro da piscina é que pude reorganizar meus pensamentos. Focava no

que a Ju tinha falado uma vez no curso “a sensação de parir não é de dor, é de

uma força interior”. E, desse modo, ia tentando administrar minha respiração. A

cada contração, eu expirava o mais lentamente possível. A sensação era de que a

força me fazia tremer por dentro. Quando Ju e Mari chegaram, me senti acolhida

e segura para continuar. Também estavam presentes, Clara, a fotógrafa, Kázia,

minha sogra e claro, meu parceiro Thomas.


O ambiente foi de paz total. A piscina encontrava-se na sala. No som,

tocava mantras de meditação, que em muitos momentos vocalizavam ao mesmo

tempo que eu. O dia ensolarado iluminava todo o ambiente. E o vento entrava

forte para refrescar! O Thomas estava junto a mim, me dando apoio, enquanto

cada pessoa sentava em um canto da sala. Observavam-me e faziam silêncio.

Estavam comigo e com boas energias. Nenhuma palavra foi dita, mas pude sentir

a energia de encorajamento de cada uma.


O parto foi intenso do começo ao fim. A expiração tornou-se gemidos que

depois tornaram-se gritos. Gritos compridos e agonizantes, pois vinham de

dentro da alma. A sensação era de que minha barriga estava tão pesada que

deixava minhas pernas dormentes. E era tão difícil de respirar. Porém, entre

intervalos de contração, o corpo relaxava profundamente. Coisas boas passavam

pela cabeça e me deixavam com vontade de dormir. Até tudo começar de novo! E

mais uma vez, eu tentava arranjar todas as minhas armas para atravessar aquela

tempestade.


No lado de “fora”, me ofereciam fruta e água. Controlavam a temperatura

da piscina e acompanhavam os batimentos do bebê. Serena estava chegando!

Mais uma vez, nada foi dito. Eu pensava “será que estou em trabalho de parto?”,

“acho que estou exagerando”, “como as pessoas têm três filhos? Passam três

vezes por isso!”. Os pensamentos corriam soltos, até que pela posição do

aparelho de ausculta no meu corpo, sabia que era hora. Coloquei a mão em baixo

e pude sentir a cabecinha da Serena. Sorri. Eu estava a poucos instantes de

conhecer minha filha. Ju me disse, “quando sentir que ela estiver vindo, você

pode levantar um pouco o corpo”. Ou, pelo menos, foi isso que entendi. Já não

sabia se era minha mente comandando para fazer força ou o corpo agindo por si

só. Sei que o grito foi comprido e Serena deslizou de uma vez só. Thomás a pegou

e colocou no meu colo. Nesse momento, Serena deu um grito e me olhou no

fundo dos olhos, até ser aninhada nos meus braços. Fiquei hipnotizada pela força

que ela carregava consigo. É a força da vida. Foi emocionante!


O resto da história todo mundo já sabe. Nascimento da placenta,

fechamento de um ciclo e início do tão temido puerpério. Agradeço as meninas

por não soltarem minha mão em nenhum momento. Atravessamos os traumas

físicos do corpo pós-parto e o início da amamentação. Foram inúmeras visitas,

mensagens por telefone, dúvidas sanadas e necessidades atendidas. Após um

mês, em nossa consulta de encerramento, senti-me como um navio que

finalmente podia desatracar. Nesse dia, Serena adormeceu sorrindo.

Gratidão eterna Ju e Mari por estarem presentes em um momento tão

íntimo e especial. Vocês foram guardiãs do nascimento da Serena e da jornada

de superação e empoderamento que foi a minha gestação. Assim, termino meu

depoimento com o desejo de que mais e mais mulheres possam parir no seu

tempo, e principalmente, envolta de amor, respeito e dignidade. Vida longa ao

Hanami!




Quer ter mais informações sobre parto domiciliar, gestação e maternidade?

Entre em contato conosco.

contato@equipehanami.com.br

Marielen Formentão: (48) 99190-9759

Juliana Ribeiro: (48) 99863-3381


 

Rua Manoel Severino de Oliveira, 515 - sala 101

Lagoa da Conceição - Florianópolis/SC - Brasil

Para fazer parte da Lista de Transmissão do Hanami pelo whatsapp, basta solicitar seu acesso pelo link http://bit.ly/listadetransmissãohanami  


Assim você estará por dentro de tudo o que acontece no Hanami, e de algumas informações de qualidade sobre gestação, parto e maternidade.

  • Facebook
  • Instagram
  • Google Places

© Copyright 2019 – Equipe Hanami - Parto domiciliar planejado - Site design by 

simbolo.png